Don't Worry Be Happy!!!

Comidas e bebidas

Estudos mostram que tomar café pode reduzir risco de câncer de mama!

Studies show drinking coffee may reduce risk of

breast cancer

Thursday, May 12, 2011 by: S. L. Baker, features writer

(NaturalNews) Breast cancer is a serious concern for women. According to the National Cancer Institute, the disease took about 50,000 lives last year in the U.S. alone. But the mainstream media, as well as mainstream medicine, often treat breast cancer as something that strikes out of the blue — giving women no choice but to hope they are not one of the “unlucky” ones to get breast cancer. At the same time this subjects women to to mammography so a malignancy can be spotted early, despite the fact the actual radiation exposure associated with mammograms is known to raise the risk of breast cancer in some women (http://www.naturalnews.com/024901.html).

But here’s good news. Scientists studying natural compounds in plants are finding many may offer some level of protection against breast cancer. That means women can start taking control of their breast cancer risk by paying attention to what they eat and drink. In detailed research just published in BioMed Central’s open access journal Breast Cancer Research, scientists from Sweden’s prestigious Karolinska Institute present compelling evidence that something in coffee slashes the risk of breast cancer.

The new study concludes that drinking coffee specifically reduces the risk of what researchers call anti-estrogen-resistant estrogen-receptor (ER) negative breast cancer, dubbed ER-negative breast cancer for short.

The Sweden research team compared lifestyle factors and coffee consumption between women with breast cancer and women the same age that did not have any breast malignancies. It turns out that coffee drinkers had a far lower incidence of breast cancer overall than women who rarely drank coffee.

Delving further into the impact of coffee, the scientists looked at several lifestyle factors that affect breast cancer rates, including age at menopause, exercise, weight, education, and a family history of breast cancer. Once they had adjusted their data to account for all of these factors, they found that the protective effect of coffee on breast cancer zeroed on one type of the disease — the ER-negative breast cancer.

Although the evidence appears strong that coffee has beneficial effects in protecting women from ER-negative breast cancer, it’s not clear just what the mechanism and compounds involved are. The researchers noted in a statement to the media that the protection from coffee may be due to way the coffee is prepared, or perhaps the type of coffee bean used.

Bottom line: as NaturalNews has reported previously, the new coffee study is the latest in a growing body of scientific data showing that natural substances are formidable weapons to both prevent various types of breast cancer and even halt cancerous growth once cells are malignant.

For example, in a study published in the journal Crop Science, Colorado State University scientists studied the anti-cancer activity of six kinds of dry legumes and found consumption of every kind of bean reduced the incidence of cancer and tumors in animal models (http://www.naturalnews.com/025614_c…).

In addition, Elaine Hardman, PhD, associate professor of medicine at Marshall University School of Medicine, gives this advice to women based on her cancer research: eat more walnuts. Her research strongly suggests those nuts can substantially reduce the risk of breast cancer (http://www.naturalnews.com/026115_w…).

For more information:
http://breast-cancer-research.com/
http://www.naturalnews.com/024901.html
http://www.naturalnews.com/029204_b…
http://www.naturalnews.com/025633_c…


Chimarrão ou tererê!!!

Nativo dos pampas, andou de escanteio. Com a profusão de chás do Oriente, ele não conquistou o devido espaço nas xícaras de gourmets nem chamou a atenção de gente preocupada com vida saudável. Mas isso está para mudar…

por ADRIANA TOLEDO 
design LETÍCIA RAPOSO
 
fotos ALEX SILVA

Quente, gelado, no chimarrão ou no tererê — os brasileiros têm muitas maneiras de sorver a infusão de erva-mate. E todas elas garantem seus benefícios. Inspirados pela onda do chá verde e do chá branco (estes oriundos da China), pesquisadores resolveram checar se o nosso chá — nosso e de outros países com cenário marcado pelos pampas, como Uruguai, Paraguai e Argentina — ofereceria benefícios ao organismo. 

Na Universidade Federal de Santa Catarina, notaram que três doses de uns 300 ml diários — ou quase 1 litro por dia — são capazes de diminuir em 13% o colesterol ruim, o LDL, e aumentar o bom, o HDL. “Essa ação foi observada em amostras de sangue de 100 voluntários que incluíram a bebida nas refeições durante 60 dias”, explica o farmacêutico-bioquímico Edson da Silva. Ele especula que isso se deve às saponinas, substâncias que funcionam como uma espécie de detergente e reagiriam com ácidos biliares, impedindo a absorção da gordura pelo intestino. 

O mesmo efeito anticolesterol foi confirmado por um trabalho conduzido por pesquisadores da Universidade São Francisco, em Bragança Paulista, no interior do estado — mas este realizado em cobaias. “Além da queda nas taxas de colesterol, notamos que os níveis de triglicérides e açúcar baixaram”, relata um dos autores, o biólogo Marcelo Ribeiro. “Também percebemos uma diminuição de aproximadamente 4% no peso dos animais”, completa sua colega Patrícia Carvalho, especialista em ciência dos alimentos. Ela acredita que princípios ativos da erva-mate não ajam apenas nos sais biliares, mas inibam a atividade da lipase, uma enzima secretada pelo pâncreas que está envolvida na digestão de gordura.

retirado de http://saude.abril.uol.com.br/edicoes/0306/nutricao/conteudo_408660.shtml


Hambúrguer de brócolis

Hambúrguer de brócolis

INGREDIENTES:

  • 1 maço médio de brócolis japonês cozido e picado (só as flores)
  • 1 cebola pequena picada
  • 1 clara
  • 2 colheres (sopa) de aveia em flocos finos
  • 3 colheres (sopa) de farinha de rosca
  • meia xícara (chá) de maionese HELLMANN?S light
  • meia colher (chá) de sal
  • 7 fatias de queijo-de-minas frescal light
     
    Para untar e polvilhar: 
     
    creme vegetal DORIANA light
  • farinha de rosca

Veja a tabela de conversão de medidas.
(gramas para xícaras, colheres, etc.)

 

1h 00min

7 porções

MODO DE PREPARO:

  1. Pré-aqueça o forno em temperatura média (180°C).
     
  2. Unte e polvilhe uma assadeira média (33 x 23 cm).
     
  3. Reserve.
     
  4. Em uma tigela média, junte os brócolis, a cebola, a clara, a aveia, a farinha de rosca, a maionese HELLMANN?S light e o sal.
     
  5. Misture.
     
  6. Enfarinhe as mãos com a farinha de rosca, coloque porções da mistura e modele pequenos hambúrgueres.
     
  7. Coloque um ao lado do outro na assadeira reservada e leve ao forno por 10 minutos.
     
  8. Vire os hambúrgueres e deixe por mais 10 minutos ou até dourarem.
     
  9. Retire do forno, cubra cada um com 1 fatia do queijo-de-minas frescal, coloque sobre ela outro hambúrguer e leve ao forno por mais 5 minutos ou até derreter o queijo.
     
  10. Sirva em seguida.
     

INFORMAÇÕES ADICIONAIS:

VARIAÇÃO

Se preferir, coloque uma fatia de tomate sobre a fatia de queijo, cubra com outro hambúrguer e leve ao forno.

DICA

Se utilizar outro tipo de brócolis, dê preferência a um maço grande e utilize somente as flores.

retirado de http://tudogostoso.uol.com.br/receita/17173-hamburguer-de-brocolis.html


Aspartame – Nutrasweet – the History of this Toxic Chemical and Its Promotion (Part 1)

 
 
(NaturalNews) In December of 1965, while James Schlatter, a chemist for G.D. Searle & Company, was working on an anti-ulcer drug candidate he accidentally discovered aspartame. He was recrystallizing aspartame from ethanol when the mixture spilled onto the outside of the flask he was using. Some of the powder landed on his fingers. Schlatter discovered the sweet taste of aspartame when he absent-mindedly licked his finger later. He realized that the sweet taste must have been the aspartame.

The first report of the discovery of the artificial sweetener was in the Journal of the American Chemical Society. It stated:

"We wish to report another accidental discovery of an organic compound with a profound sucrose (table sugar) like taste… Preliminary tasting showed this compound to have a potency of 100-200 times sucrose depending on concentration and on what other flavors are present and to be devoid of unpleasant aftertaste."

G.D. Searle has spent the last 40 years aggressively and recklessly promoting their accidental discovery with total disregard to the evidence they have gathered that show how dangerous and toxic this chemical is to human beings.

As early as 1984, studies were performed that clearly indicated the toxicity of Nutrasweet (aspartame) to living organisms. In 1984, the State of Arizona completed studies showing that aspartame in carbonated beverages can break down into free methanol (among other things) in 99°F temperatures. Compare this to human beings’ average body temperature and we begin to see a problem.

On May 13, 1998, the University of Barcelona produced a study clearly showing that Aspartame was transformed into formaldehyde in the bodies of the living creatures, and that upon later examination the formaldehyde had spread throughout the vital organs of their bodies.

The chemical breakdown of Aspartame in the human body is as follows:

Methanol, from Aspartame, is released in the small intestine when it meets the enzyme chymotrypsin.

The methanol is then converted to formaldehyde. The formaldehyde is next converted to formic acid. Formic acid is toxic and is commonly used as an activator to strip epoxy and urethane coatings. Phenylalanine and aspartic acid (90% of Aspartame) are amino acids normally used in the synthesis of protoplasm when supplied by the foods eaten. When unaccompanied by other amino acids, they become neurotoxic.

The FDA has established at least 92 medical/health problems that have symptoms associated with Aspartame. These include abdominal pain, anxiety attacks, Arthritis, Asthma and asthmatic reactions, bloating, edema , blood sugar control problems, brain cancer, breathing difficulties, burning eyes or throat, burning urination, chest pains, chronic cough, chronic fatigue, confusion, death, depression, diarrhea, dizziness, excessive thirst or hunger, flushing of face, hair loss or thinning of hair, headaches/migraines, dizziness, hearing loss, heart palpitations, hives , hypertension, impotency and sexual problems, insomnia, irritability, joint pains, laryngitis, marked personality changes, memory loss, menstrual problems or changes, migraines and severe headaches, muscle spasms, nausea or vomiting, seizures and convulsions, slurring of speech, swallowing pain, tachycardia, tremors, tinnitus, vertigo, vision loss, and weight gain.

Aspartame disease mimics the symptoms and many times worsens the following diseases:

Fibromyalgia, Arthritis, Multiple Sclerosis, Parkinson’s Disease, Lupus, Diabetes, Epilepsy, Alzheimer’s Disease, birth defects, Chronic Fatigue Syndrome, Lymphoma, Lyme Disease, and Attention Deficit Disorder.

In September 2004, an affidavit was signed describing the third world studies and the health hazards of aspartame. These studies were conducted in 1983 and 1984 by the G.D. Searle Company and were translated to English from Spanish in 1984. The "double blind" studies showed irrefutable evidence that aspartame caused severe health problems and even death to the study group. According to the affidavit, the doctor directing the studies has not been seen since the approval of aspartame in 1984. The affidavit also describes how the affiant was directed by G.D. Searle officials to destroy all records of the studies (including filed notes and/or translations) possessed by the affiant. The affiant also described how the translations were forwarded to the G.D. Searle corporate offices in Illinois.

These studies were destroyed and kept from the public and from health investigators.

About the author

Jo Hartley
Wife, Mother of 8, and Grandmother of 2
Jo is a 40 year old home educator who has always gravitated toward a natural approach to life. She enjoys learning as much as possible about just about anything!
http://www.loftymatters.com
 

Veja o que a salsicha, o bacon e o presunto podem fazer pela sua saúde

 
What makes us different? Read our Declaration of Journalistic Independence

Home | About Natural News | Contact Us | Write for Natural News

Popular search terms: Breast Cancer | Diabetes | Osteoporosis | Weight loss | Depression | Vaccines

Feature articles on sausage:

Red Food Coloring Used in Sausage Linked to Cancer

12/23/2007 – (NaturalNews) An expert panel of the European Food Safety Authority (EFSA) has recommended that the food coloring known as E128 or as Red 2G is no longer considered safe for human consumption. Under the current laws of the European Union, Red 2G is…

NaturalNews.com releases shocking macrophotography pictures of processed meats: Salami, sausage and hot dogs

8/30/2007 – Have you ever wondered what processed meats look like up close? You may not want to know… especially after you view the photos we’ve released today of some popular processed meat products. These macro photos, taken with a Canon Digital Rebel XT and…

Bacon, sausage, hot dogs and processed meats hike cancer risk by 67% due to chemical preservative, says nutritionist

4/22/2005 – A chemical added to processed meat products is responsible for a 67% increased risk in pancreatic cancer, says author and nutritionist Mike Adams. The conclusions are based in part on research conducted at the University of Hawaii that reveals a 67%…

Concept-related articles:

breakfast:

bacon:

cancer:

processed foods:

red meat:

food additives:

food safety:

sodium nitrite:

hot dogs:

cancer risk:

dogs:

processed meats:

sodium:

breakfast sausage:

meat consumption:

Related Concepts

beer | atkins diet | low-carb | kidney damage | Atkins | salads | potatoes | New York | restaurants | Burger King | eggs | breakfast | bacon | cancer | pancreatic cancer | processed foods | red meat

Related books:

Grocery Warning

How to recognize and avoid the common foods (and food ingredients) that cause disease. Names all the exact ingredients that directly cause heart disease, cancer, diabetes, obesity, depression, osteoporosis, arthritis, high blood pressure, ADHD, behavioral disorders, mood swings and many more.

The Real Safety Guide to Disease Prevention

More than 80% of all chronic disease is preventable, but only if you know how. Learn the proven, yet simple prevention strategies for cancer, heart disease, diabetes, depression, Alzheimer’s and many other degenerative health conditions.

The Healing Power of Sunlight and Vitamin D: an exclusive interview with Dr. Michael Holick

In this interview, Dr. Holick reveals fascinating facts on how vitamin D is created and used in the human body to ward off chronic diseases like cancer, osteoporosis, mental disorders and more.

Superfoods For Optimum Health: Chlorella and Spirulina

In this free online book, you’ll get the astounding truth on how these two superfoods are far more than just "supplements" like vitamins and minerals: they are disease preventing foods from nature that can actually help conquer cancer, diabetes, heart disease, clinical depression, and much more.

How to Prevent and Reverse Prostate Cancer

Discover the little-known natural health secrets that can prevent and even reverse prostate cancer. This book shows you how to reduce your risk of prostate cancer to near zero using potent, clinically proven health strategies that far surpass anything offered by organized medicine.

Poison in the Food: Hydrogenated Oils

Exposes the horrifying truth about hydrogenated oils and the diseases it causes: birth defects, heart disease, cancer, diabetes and more.

The Seven Laws of Nutrition

Learn how to transform your health, reverse chronic disease and free yourself from pharmaceuticals by mastering the fundamental laws of nutrition.

The Five Habits of Health Transformation

Explores the five most effective, yet effortless strategies for transforming human health. Written for busy people and based on research involving 763 participants, this book reveals which health strategies deliver the most results with the least investment in time, money or effort.

Google search on sausage

See Google search results on sausage (NaturalNews.com site)

See Google search results on sausage (entire internet)

See Google Scholar search results on sausage (includes scientific, academic and medical journals)

Other Resources

CounterThink cartoons are free to view and download. They cover topics like health, environment and freedom.

naturalnews.com offers news, commentary and a free email newsletter covering natural health solutions and criticism of conventional medicine.

TruthPublishing.com offers alternative health books and free downloadable interviews with top doctors and health authors.

The Honest Food Guide chart is a free, downloadable public health and nutrition chart that dares to tell the truth about what foods we should really be eating.

HealingFoodReference.com offers a free online reference database of healing foods, phytonutrients and plant-based medicines that prevent or treat diseases and health conditions.

The Natural Health Library offers more than fifteen free, downloadable books and interviews on natural health solutions.

HerbReference.com is a free, online reference library that lists medicinal herbs and their health benefits.

Read about emerging, renewable energy solutions at the NaturalNews energy channel, covering solar power, wind power, hydrogen, fuel cells and other topics for the eco-conscious consumer.

NutrientReference.com is a free online reference database of phytonutrients (natural medicines found in foods) and their health benefits. Lists diseases, foods, herbs and more.

Join our natural health e-mail newsletter for free daily updates on health news that matters. Our e-mail newsletter is powered by ArialSoftware’s E-Mail Marketing Director newsletter software. Videos are powered by Zeop Online Video Engine.

This site is part of the Natural News Network © 2008 All Rights Reserved. Privacy | Terms All content posted on this site is commentary or opinion and is protected under Free Speech. Truth Publishing International, LTD. is not responsible for content written by contributing authors. Truth Publishing sells no health or nutritional products and earns no money from health product manufacturers or promoters. The information on this site is provided for educational and entertainment purposes only. It is not intended as a substitute for professional advice of any kind. Truth Publishing assumes no responsibility for the use or misuse of this material. Your use of this website indicates your agreement to these terms and those published here. All trademarks, registered trademarks and servicemarks mentioned on this site are the property of their respective owners.

Quantcast


Queijo minas não há mais?

 

Queijo minas não há mais?
Por Carlos Alberto Dória <!–[IMAGEM]

[IMG-LEGENDA]
[IMG-CREDITO]

[/IMAGEM]–>

Autoridades sanitárias sentenciam o produto à morte, ao proibirem o uso de leite cru na sua fabricação

Uma grande falácia da modernidade se esconde sob a discussão da qualidade dos alimentos que ingerimos, a exemplo do que se verificou entre nós, em fins do ano passado, com a condenação quase unânime da adição de soda cáustica ao leite dito “longa vida”; ou a exemplo da intolerância histórica das autoridades sanitárias com o “queijo minas” feito com leite cru -como os mineiros crêem que deva ser e fazem há séculos-, agora ameaçado de morte por uma possível proibição total do uso de leite cru em produtos lácteos.

Não é possível imaginar a França sem o seu camembert de leite cru. Ele se tornou um ponto de honra do orgulho nacional contra o abuso das negociações do Gatt, em 1993, que queriam abolir a comercialização mundial de queijos de leite cru. Os franceses se puseram em pé de guerra e venceram.

“Criei meus filhos com queijo de leite cru, e estão todos fortes, graças a Deus. O que esses caras de Brasília entendem de saúde?” Afora essa indignação do velho produtor, não nos parece grave ficar sem o queijo do Serro, o queijo da Canastra ou o queijo de Araxá -todos “queijos minas” de leite cru, produzidos em várias microrregiões do Estado de Minas Gerais. Se fosse grave, estaríamos em pé de guerra como os franceses. Matar um produto tradicional, apreciado, equivale a liquidar parte do nosso prazer ao comer e nos empobrece culturalmente.

Mas governo não é coisa uniforme; não raro, é desorientador. Enquanto, com uma mão, tomba o queijo do Serro e o declara “patrimônio nacional”, com a outra nega aos produtores o registro do serviço de inspeção sanitária (SIF) para o produto circular nacionalmente.

Ao se cozer o leite, elimina-se microorganismos únicos e se perde a especificidade do produto. Para escapar a essa morte, o “queijo minas” de leite cru sai de Minas Gerais para uma longa viagem ilegal, clandestina, cheia de peripécias que envolvem a polícia, o fisco e o mercado informal das grandes cidades. Como pensar e fruir o “patrimônio nacional”, se ele está condenado à clandestinidade?

A ”incorporação” como temor

Qualidade é um conjunto de características quaisquer, mas, no caso de alimentação, sempre associada a algum juízo sobre a “incorporação”: como aquilo que comemos fará parte do nosso corpo?

A “incorporação” é o contato mais íntimo com as coisas do mundo: penetração, fusão, confusão de substâncias entre o absorvente e o absorvido e, claro, a possibilidade de contaminação ou purificação. Assim, magicamente, características psíquicas, morais ou simbólicas da comida passam ao comedor através da incorporação.

Para me manter puro, preciso comer o puro; para me manter são, preciso comer o são; para me tornar homem, preciso absorver os nutrientes viris; para crescer, preciso comer as plantas que possuem vida; para ser corajoso, evitar a carne dos animais covardes, e assim por diante. A incorporação é um eixo tanto da medicina quanto da religião e da magia e, claro, do pensamento utópico alimentar

1.

Graças à dimensão moral da incorporação, um enorme mecanismo de vigilância -que inclui dietas e a supervisão dos poderes públicos- se monta em torno do comer para assegurar a sua eficácia “nutricional”.

Mamíferos, tudo o que se refira ao leite nos toca muito de perto, quando o assunto é incorporação. Mas o leite “longa vida”, convertido em horripilante por conter soda cáustica, é o contrário do que o nome sugere. A capacidade de durar significa interromper o seu processo natural de transformação. A “longa vida” é a vida eterna do leite após a sua morte, como toda idéia de vida eterna.

A soda cáustica é um hidróxido (NaOH) usado na indústria como uma base química, seja para a fabricar papel, tecidos, detergentes, biodiesel ou alimentos, como o prosaico pão alemão -o pretzel–, seco, estaladiço, bastante cozido e salgado.

Ora, por que nós amamos o bicarbonato de sódio (NaHCO3) e parecemos odiar a soda cáustica acrescida ao leite? Só porque esta serve para desentupir encanamentos, e nos vemos, metaforicamente, como um sistema de encanamentos delicados que nos parece melhor protegido pelo bicarbonato, especialmente quando exageramos na feijoada? Por que lembramos, com nostalgia, dos biscoitos de amoníaco que nossas avós faziam, apesar de se tratar de algo altamente tóxico em concentrações elevadas? O que dizer da cal virgem, utilizada na fabricação do doce “duro” de abóbora?

Incorporar a química não é idéia que desperte simpatias. A naturalidade “pura” parece-nos infinitamente mais segura. Mas, então, por que a implicância com o leite cru? Talvez a marca distintiva da psicologia da incorporação seja o temor permanente do mundo externo.

O alimento construído

Atribui-se a Savarin a máxima “dize-me o que comes e dir-te-ei quem és”, embora desde cinco mil anos antes de Cristo o homem produza a esmagadora maioria daquilo que come, de sorte que produz a si mesmo, deixando distante a natureza “livre”.

Por este aspecto construído do comer é que, já sob o Antigo Regime europeu, quando o Estado se colocava ao lado da qualidade dos alimentos, era para defender as corporações contra o livre mercado. Mais tarde, no século XIX, sob o liberalismo, a proteção imperfeita da indústria parecia favorecer a fraude e a falsificação.

Ora, quando a agricultura se transformou num ramo da indústria, o debate sobre a pureza do leite e dos demais alimentos veio para o primeiro plano. Por exemplo, o comércio do leite desnatado para se fazer manteiga foi considerado fraude, pois mães proletárias desejavam um substituto do próprio leite para os seus filhos, quando a jornada de trabalho fabril substituiu o cuidado da prole.

Assim, a qualidade do leite tornou-se sinônimo de “saúde da nação”, isto é, uma espécie de tema da “segurança nacional”. O leite desnatado, herói de nove entre dez dietas modernas, era inimaginável.

Por uma noção histórica de fraude alimentar

Mas o que é exatamente uma fraude? O dicionário nos diz: “Qualquer ato ardiloso, enganoso, de má-fé, com o intuito de lesar ou ludibriar outrem, ou de não cumprir determinado dever”. Já falsificar é “dar aparência enganadora com o fim de fraudar, de fazer passar por verdadeiro o que não é”. Ou seja, fraude e falsificação são ardis, enganos intencionais. Mas não é este o propósito da química dos alimentos.

Após a Revolução Francesa a legislação sobre fraude e falsificação alimentar curvou-se à idéia de liberdade contratual, podendo ser comercializado tudo o que fosse bom e agradável que não fosse nocivo à saúde e, no plano econômico, não representasse um delito contra a propriedade ou um “abuso de confiança”. Nesse plano, a “fé pública” sempre foi o atestado da qualidade alimentar.

Ora, as pessoas que inventaram a margarina, por volta de 1870, na França, não tinham a idéia de fazer uma falsa manteiga. Era apenas uma aplicação alimentar do entendimento dos ácidos graxos, dos princípios da saponificação descobertos por Eugène Chevreul, por volta de 1820. Tratava-se de um processo químico para facilitar a incorporação de gordura animal, mas essas pessoas foram acusadas de falsárias pelos produtores de manteiga, que, por sua vez, contaram com o apoio do Estado para combater o novo invento.

Com o tempo, a margarina se fundiu à manteiga, gerando a “beurrine”. Nem assim os produtores de manteiga se deram por satisfeitos. Mas as autoridades reconheciam, por volta de 1905, que “no estado das ciências” era impossível identificar a margarina misturada à manteiga em proporções inferiores a 10%. Era preciso conviver com um certo grau de “fraude”.

No médio prazo, a margarina triunfou. Provocou a queda do preço da “verdadeira” manteiga e, com a sua aceitação como produto comestível regular, como alimentação proletária, o que passou a ser controlada foi a quantidade de potássio empregado para saponificar a matéria gordurosa. O Estado se tornava ele mesmo um químico… E a antiga “fraude” conquistava a cidadania alimentar, barateando os alimentos das grandes massas.

Coisas como essas aconteceram em larga escala no século XIX, à medida que as ciências avançavam e penetravam o universo da produção alimentar

2. Assim, além do controle de “pesos e medidas”, será a “inovação” que ocupará o centro dos conflitos em torno da qualidade alimentar, da fraude e da falsificação.

O leite, a carne, o queijo, o vinho, todos foram objeto dessas “fraudes” modernizadoras. Mas as leis posteriores à metade do século serão sempre mecanismos de regulação da competição, motivadas por produtos químicos adicionados à alimentação com o objetivo de melhorar o seu desempenho no mercado.

A própria idéia de “produto alimentar de qualidade” vai se afastando da noção limitada de “natural” e acaba se ajustando a essa nova realidade, onde qualquer coisa comercializada que deixe explícito o que é adicionado, subtraído ou substituído antes de ir ao mercado parece apta a ser incorporada.

Com o tempo, o próprio discurso alimentar se modificou. Em vez do elogio do artesão, o marketing incorporou imagens de laboratórios, homens vestindo guarda-pós e máscaras manipulando o alimento. A imagem da “segurança” passou a ser tributária do modo de produção industrial.

No outro pólo, a produção artesanal aparecerá como algo “sujo” e contaminante, ou até mesmo bárbaro, quando como sabemos, por exemplo, que os índios e amazonenses cospem na mão com que manipulam a mandioca ralada para fazê-la fermentar e elaborar as suas apreciadas farinhas; ou que o antigo coalho do leite para queijos tipo “minas” era extraído do estômago de tatu.

A estratégia da moderação

Se a incorporação encerra perigos, a vigilância e seleção, a dieta, são tão orientadoras quanto a de qualidade do produto. Os “health reformers”, pietistas alimentares norte-americanos, propunham no século XIX, sob a liderança de Sylvester Graham, o banimento do álcool, do chá, do café, da carne e das especiarias: todos tidos como excitantes que favorecem as paixões sensuais, o apetite e perturbam a ordem social e a vida sã. Assim, a sociedade pode ser vista como uma imensa incorporadora que se faz moralmente pela boca.

Na mesma linha, o pai da “ciência da nutrição”, John Harvey Kellogs, entendeu que o que se come deve servir à saúde, à moral e às finanças, e uma das suas metas foi a construção da dieta operária, ainda que à custa do massacre das diferenças culturais no seio das massas proletárias. Atribui-se a ele a esclarecedora máxima: “O declínio de uma sociedade começa pela gourmandise”.

A alimentação, como a sexualidade, está imersa em discursos moralizantes. O principal deles é o da moderação, como o da “dieta preventiva” norte-americana que bane quase a totalidade das gorduras animais.

Mais recentemente, pesquisas mostraram como as “gorduras trans” -pelas quais se optou, ao promover a margarina em substituição à manteiga- são mais nocivas à saúde do que a manteiga, bem como o fato de que o baixo colesterol está associado a uma maior ocorrência de certos tipos de câncer.

Assim, não há dúvida de que as utopias modernas, como a dieta preventiva ou a dieta mediterrânea surgida nos anos 1950, ocuparam o coração da medicina, tendo por ideal a longevidade e recorrendo à regulação alimentar como seu método, segundo um modelo atualizado dos pietistas norte-americanos do passado.

A seleção artificial e a química

Um simples tomate, um frango, o boi, tal qual existem hoje, são construções, produtos da engenharia humana; não são produtos naturais no sentido de coisas desenvolvidas pela natureza sob ação da seleção natural. Já Darwin nos mostrou isso com clareza, ao estudar a seleção artificial que prossegue, em linha reta, até a engenharia genética moderna, cuja meta é acentuar os caracteres úteis das coisas vivas e, acima de tudo, a sua produtividade.

Essa diretriz industrial impregna nossas vidas. Os produtos que consumimos parecem tão normais ou “naturais” que sequer nos perguntamos, por exemplo, o que seja a “canola”. Imaginamos uma planta bucólica, estampada no rótulo de um óleo de fritura com baixo teor de “trans”.

Choca-nos saber que, na verdade, se trata de uma mera sigla -CANadian Oil Low Acid- de modo que dizer “óleo de canola” é mera cacofonia. A planta da qual ele se origina é a colza, usual na geração de um óleo industrial que foi responsável, no passado, por verdadeira tragédia alimentar na Espanha. Claro, na variedade agora produzida parece inocente, mesmo considerando que boa porção da colza tem origem na transgenia.

Só quando os mecanismos industriais falham, inclusive no seu marketing, aparece o aspecto artificial, “ameaçador”, dessa estrutura produtiva que nos separa da velha natureza. Os episódios da “vaca louca” e da gripe aviária mostraram a fragilidade dessa forma de encapsulamento industrial dos alimentos, aprofundando o desejo de uma vida “mais natural” como forma de restaurar a confiança perdida.

No processo sem volta, slow food, produtos de “terroir”, “orgânicos” e uma infinidade de outras denominações buscam aproveitar comercialmente a oportunidade criada pela própria crise de confiança na indústria alimentar.

São estratégias que se aninham especialmente no consumo das classes de altas rendas. E é claro que criam, também, uma senda para irracionalidades, como a condenação geral da química alimentar expressa, por exemplo, na denominação “sem conservantes”, estampada em rótulos. Por que deveríamos preferir as bactérias patogênicas aos conservantes?

Ora, se perdemos a confiança na indústria alimentar, isso não quer dizer que recuperamos a capacidade de reconstruir o alimento “sadio”. Apenas transferimos a fé pública para selos, rótulos, marcas, etiquetas informativas e outras declarações de agentes públicos sobre a qualidade do produto. Mas, afinal, não foram esses mesmos agentes públicos que falharam tantas vezes, como no episódio da “vaca louca”? Por que agora mereceriam crédito irrestrito? Seriam as ONGs certificadoras merecedoras da confiança que o Estado perdeu?

Conservantes fazem parte da defesa do organismo humano. Assim como a vacinação das vacas contra brucelose, tuberculose bovina e outras doenças animais. Os produtos “in natura” –independentemente de serem frutos da engenharia ou de uma “naturalidade” remota e bucólica- só podem existir quando o mercado consumidor está próximo do produtor; quando as distâncias aumentam, os conservantes são a melhor defesa humana. Sem eles, a urbanização jamais teria alcançado a escala atual.

O leite cru e o queijo minas

Assim, o nosso leite “in natura” está longe de ser algo que saiu direto da teta da vaca para o copo. Esta é uma memória mitológica do passado rural, bem explorada pela publicidade que eterniza as condições de vida suprimidas pela história. O que precisamos decidir é o que chamaremos de “leite” de hoje em diante, considerando que ele também não pode dispensar a química.

Os europeus e norte-americanos reúnem uma enorme gama de produtos sob a denominação “leite”. Inclusive o leite cru, que os norte-americanos tentaram banir do mundo, rejeitando um indesejável contacto com o “natural”. Mecanismos ardilosos, sofisticados, precisam ser montados nos EUA por aqueles que querem preservar a incorporação do leite cru: são constituídos clubes de consumidores, e as vacas são “alugadas” para os afiliados. Cada um toma o “seu” leite por sua própria conta e risco. O Estado e a indústria se eximem de responsabilidades.

O Brasil precisa construir os seus conceitos de qualidade do alimento a ser “incorporado”, ao definir as características desejadas dos produtos, não só do ponto de vista sanitário, mas também organoléptico. O nosso leite não é uma obra-prima de sabor, e sabemos que a saúde e o prazer de comer são duas faces da mesma moeda; portanto, é preciso que a química dos alimentos cuide de materializar esses valores naquilo que levamos à boca e que achamos que deva ter a “nossa cara”.

Não definimos, ainda, se o prosaico “queijo minas” Canastra, Serro ou Araxá é produto cuja incorporação favorece nossa identidade. Mas já admitimos que ele se esconda, com seu leite cru, sob o amido do pão de queijo. Enquanto isso, na forma “pura”, segue consumido largamente pelas classes populares, clandestinamente, como se fosse um filho bastardo que escondemos no porão da casa. Só porque é feito de leite cru, sem soda cáustica.

Talvez devêssemos nos perguntar, à maneira dos franceses zelosos do século XIX que combatiam as fraudes e falsificações: quem se beneficia dessa quebra de confiança no produto? E, brasileiramente, lamentar que o Estado faça o jogo de interesses obscuros.

Carlos Alberto Dória
É sociólogo, doutor em sociologia no IFCH-Unicamp e autor de "Ensaios Enveredados", "Bordado da Fama" e "Os Federais da Cultura", entre outros livros. Acaba de publicar "Estrelas no Céu da Boca – Escritos Sobre Culinária e Gastronomia" (ed. Senac).

 

 

retirado de http://p.php.uol.com.br/tropico/html/textos/2968,1.shl


Consumo de leite de vaca: mitos e realidades – Denise Madi Carreiro part II

LEITE E DERIVADOS & ALERGIAS E HIPERSENSIBILIDADES

 

Inúmeros estudos demonstram a relação de leite e derivados com processos alérgicos por diversos mecanismos imunológicos3, ou seja alergias mediadas por IgE, clássica e normalmente com reações imediatas, porém essas são 1 a 2% das alergias alimentares, sendo a maior porcentagem em crianças até 3 anos.

A maior porcentagem das alergias alimentares são tardias e mediadas por IgG, principalmente, podendo desencadear sintomas de 2 horas a 3 dias após o contato com os alérgenos, sendo portanto de dificil diagnóstico18. Entre os alimentos mais alergênicos, o leite de vaca é o mais freqüente. Essa relação até já é feita pela maior parte dos profissionais da área da saúde atentos às causas das doenças, porém costuma-se ligar mais a intolerância à lactose. Sem dúvida esta intolerância é comum e pode desencadear transtornos funcionais gastrintestinais locais e por conseqüência também sistêmicos. Porém, não é a maior causa de doenças sistêmicas desencadeadas pelo leite de vaca. A maior relação dos derivados de leite com as alergias tardias se deve ao fato do organismo não digerir a beta-lactoglobulina. A caseína (80%), alfa-lactoalbumina e lactoglobulina são de dificuldade digestiva, principalmente a caseína.

As proteínas alergênicas dos lácteos provocam uma inflamação na mucosa intestinal causando alteração na permeabilidade da mesma, facilitando a passagem de macromoléculas e metais tóxicos, alé de favorecer a má absorção de nutrientes, gerando uma síndrome de má absorção. Como a mucosa intestinal é produtora de substâncias como serotonina, hormônios, enzimas digestivas, sua alteração prejudicará as funções executadas por essas substâncias que seriam produzidas e liberadas para a circulação para uma ação no organismo.    

Além disso, as macromoléculas que conseguiram atravessar esta mucosa intestinal alterada, podem provocar uma reação do organismo no sentido de combatê-las pois são entendidas como antígenos (substâncias estranhas ao organismo), necessitando ser eliminadas. Para isso, além da ação dos fagócitos, poderá existir a formação de anticorpos e estímulo do sistema do complemento, havendo liberação de histaminas e de outros autacóides (substâncias quimicamente ativas), agregação plaquetária, além da produção de outras substâncias pró-inflamatórias como leucotrienos, citocinas etc18. Todas estas reações em conjunto, podem desencadear sintomas em diversos órgãos alvo (órgão de choque), podendo se manifestar por alterações físicas, mentais e/ou emocionais.

Diversos estudos comprovaram a relação de alergia tardia3,18, principalmente à leite de vaca com otite5, dermatite, rinite6, sinusite, bronquite asmática6, amigdalite, obesidade16, aumento da resistência à insulina, aumento na formação de muco, gastrite, enterocolite, esofagite, refluxo, obstipação intestinal2, enurese, enxaqueca8, fadigas inexplicáveis, artrite reumatóide7, falta de concentração4, hiperatividade (ADHD)4, dislexia, ansiedade e até mesmo depressão18.

No processo alérgico tardio, a histamina é liberada em pequena quantidade, não desencadeando sintomas alérgicos imediatos, porém, em quantidade pequena tem ação de relaxante cerebral16, dando sensação de conforto e relaxamento, ligando o alérgeno ingerido primeiramente ao prazer, muitas vezes gerando vício, e não aos problemas que ele trará depois de um tempo variável. Os sintomas tardios são relacionados com a necessidade de maior formação de imunocomplexos (em pequena quantidade nem sempre provoca sintomas alterados), e uma queda da serotonina16, levando à sensação de ansiedade, vontade de comer carboidrato, falta de saciedade, etc. Outro fator que pode gerar vício ao alimento sensibilizante é a fermentação que a microbiota poderá fazer da caseína, da beta-lactoglobulina (e também do glúten), produzindo substâncias que ocupam o lugar de aminas biológicas como serotonina, modificando o comportamento, podendo levar a sintomas como hiperatividade, excitação, e depois de um tempo variável à ansiedade e até mesmo depressão, porém, mais uma vez levando ao vício pelo fato de num primeiro momento gerar prazer. Estas substâncias são chamadas de exorfinas, já que tem origem externa ao organismo.

 

É importante entender que o processo alérgico tardio não se manifesta pela presença da substância alergênica e sim pelo consumo regular da mesma, normalmente em detrimento de uma nutrição adequada, gerando processos somatórios que favorecem o desencadeamento dos sintomas alergicos.

 

BIODISPONIBILIDADE DE NUTRIENTES

O desequilíbrio entre cálcio e magnésio também favorece sintomas de carência de magnésio como cãimbra, dores musculares, inchaço, dor de cabeça, cólica, tensão muscular, taquicardia, osteoporose, aumento da resistência à insulina entre outros, principalmente quando se acha que ao tomar um iogurte ou uma bebida láctea colorida, já comeu “também” a fruta, ou seja, aumento do consumo de lácteos e baixo consumo de frutas, legumes e verduras. 

Além dos fatores já discutidos, a fermentação (por más bactérias e comensais) de proteina e gordura mal digerida, vai favorecer um pH alcalino no intestino que prejudica o desenvolvimento e a manutenção das boas bactérias e dimimue a absorção de minerais. Já no sangue, o consumo de proteína, gordura, açúcar, leite e derivados mantém um pH ácidificado, dificultando a ação e utilização dos minerais, inclusive do cálcio, ao mesmo tempo que aumenta sua excreção renal.

A fermentação de legumes, verduras e frutas  (por boas bactérias e comensais) mantém um pH ácido intestinal, prejudicando o desenvolvimento de más bactérias e favorecendo a absorção do cálcio e dos outros minerais necessários para um bom funcionamento orgânico, inclusive manutenção da massa óssea.

No sangue, o metabolismo de legumes, verduras e frutas mantém o pH levemente alcalino, ideal para que as reações orgânicas aconteçam, favorecendo a biodisponibilidade do cálcio e, conseqüentemente, sua fixação no osso, já que não precisa ser usado como tampão dos íons ácidos vindos da dieta1.

O maior problema do consumo de alta quantidade de cálcio, sem o equlíbrio com os demais nutrientes, principalmente o magnésio, é a possibilidade de microcalcificações a partir do cálcio circulante que não conseguiu fixar-se no osso, causando artrite, bursite, cálculos, nódulos, esporão,etc15,17.

É bom lembrar que para fazer o queijo, normalmente se concentra cerca de 10 vezes o leite, concentrando ainda mais as proteínas alergênicas e o cálcio, em detrimento do magnésio.

O pH normal do sangue varia entre 7,3 e 7,4, sendo levemente alcalino. É nesta faixa que as funções orgânicas podem ter um “ótimo” desempenho.

Pelo processamento que os alimentos sofrem durante a digestão, podem gerar substâncias alcalinizantes ou acidificantes.

São alcalinizantes as frutas, os legumes e as verduras, na sua maioria.

São acidificantes o leite, o açúcar, as carnes, a cafeína, as gorduras, o álcool e aditivos químicos contidos em alimentos industrializados.

Se o pH sangüíneo estiver ácido precisará ocorrer uma adaptação do organismo para equilibrar o mesmo. Além de gerar um estresse, ocorrerá uma maior excreção urinária de cálcio1.

Para a prevenção e mesmo tratamento da osteoporose, tão importante quanto a ingetão de boas fontes de cá lcio e de todos os nutrientes que agem em conjunto com o mesmo, é a não ingestão ou o baixo consumo do que diminue a absorção do cálcio ou que aumentem a sua excreção urinária e fecal, como cafeína, álcool, aditivos químicos e excesso de: sal, açúcar, proteína, gordura, fitatos e oxalatos17

Se analisarmos todas estas questões em conjunto, iremos percerber que o maior problema não está no consumo de leite e sim no alto consumo (consciente ou não) do mesmo e de seus derivados, em detrimento de alimentos fontes dos outros minerais necessários para o equlíbrio orgânico. Esse desequilíbrio facilita as reações alérgicas, intoxicação e transtornos funcionais, inclusive osteoporose.

Há poucas décadas atrás o consumo do leite fazia parte da alimentação das pessoas em pequena quantidade (aproximadamente 1 copo por dia). Não existiam essa enormidade de produtos industrializados e a alimentação era mais natural e rica em nutrientes, além de ser valorizada e priorizada, com muito menos estresse físico, mental e emocional, havendo um equilíbrio orgânico muito maior que possibilitava o organismo se defender de substâncias estranhas à ele.

A própria qualidade do leite sofreu modificações co m a necessidade de utilizar recursos pró-produtividade como hormônios (hormônio de crescimento bovino), antibióticos (tratamento de mastites), pasteurização, manutenção de bactérias resistentes aos antibióticos, bactérias mortas, metabólitos dos medicamentos, etc. A discussão desses fatores, por si só, é assunto de um outro artigo, mostrando as possíveis interferências dos mesmos, que poderiam passar para o organismo humano pelo leite de vaca, aumentando os riscos de interferência na saúde e do potencial imunoestimilante que poderão desencadear.

Hoje em dia existe um consumo direto até menor do leite, porém extremamente aumentado dos seus derivados. Pior ainda é o consumo do leite utilizado nos produtos industrializados sem, na maior parte das vezes, sabermos que os mesmos estão presentes. O leite é uma fonte de proteína e gordura barata, por isso serve de insumo em quase todas as áreas da indústria alimentícia.

Teoricamente a manteiga não causaria os mesmos problemas dos outros derivados do leite por ser composta basicamente de gordura, tendo na sua composição ácido butírico que ajuda a previnir crescimento de fungos e cândida. Ainda na sua composição tem o CLA que, entre outras funções ainda em estudo, ajuda a manter a saciedade.

É importante observar que não é por acaso que os país es onde o consumo de laticínios per capita é alto, também são altos os índices de obesidade, câncer e osteoporose. O inverso é verdadeiro. Países com baixo consumo per capita de laticínios como Japão, China e outras regiões asiáticas, tem os menores índices de obesidade, câncer e osteoporose.

Depois desta análise, fica claro que existe sim uma radicalização: a do consumo polarizado de leite e derivados em detrimento de alimentos naturalmente mais saudáveis e equilibrados nutricionalmente.

Talvez a resposta para a longevidade com qualidade de vida esteja em hábitos alimentares com menos produtos industrializados e aditivos químicos e o reto rno ao consumo de alimentos mais saudáveis dados de presente pela “mãe” natureza, incluindo o consumo de leite de vaca, porém em quantidades equilibradas para cada um, respeitando a nossa capacidade de defesa e uma individualidade bioquímica, na qual as pessoas lidam de maneira diferente com os mesmos alimentos.

 

Referência Bibliográfica

1-       New A.S., et al. Dietary influences on bone metabolism: further evidence of a positive link between fruit and vegetable consumption and bone health? Am. J. Clin. Nutr. 2000;71:142-51.

2-       Iacono,G. MD, et al. Chronic constipation as a symptom of cow milk allergy. The Journal of Pediatrics.1995; 126 (1): 34-39.

3-       Gaby, A.R., M.D., The role of hidden food allergy/intolerance in chronic disease. Alt Med Rev, 1998; 3(2): 90-100.

4-       Boris M, Mandel F.S. Foods and additives are common causes of the attention deficit hyperactive disorder in children. Ann Allergy, 1994; 72:462-468. < /DIV>

5-       Nsouli, TM, Nsouli, SM, Linde, RE, et al. Role of food allergy in serous otitis media. Ann Allergy,1994; 73:215-219.

6-       Ogle KA, Bullock JD. Children with allergic rhinitis and/or bronchial asthma treated with elimination diet. Ann Allergy, 1977; 39:8-11

7-       Ratner D, Eshel E, Vigder K. Juvenile rheumatoid arthritis and milk allergy. J R Soc Med, 1985; 78:410 -413.

8-       Monro J, Carini C, Brostoff  J. Migraine is a food allergy disease. Lancet, 1984; 2:719-721

9-       Stromqvist M, Falk P, Berstrom S, Hanson L, Lonnerdal B, Normark S, Hernell O – Human milk k-casein and inhibition of Helicobacter pylori adhesion to human gastric mucosa. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition, 1995; 21: 228-298.

10-    Saarinen UM and Kajosaari M – Breastfeeding as prophylaxis atopic disease: a prospective follow-up study until 17 years old. The Lancet, 1995;346: 1065-1069.

11-    Pollack JI. Associações de longa duração com a alimentação infantil em uma população de bebes clinicamente comprometidos. Development Medicine and Child Neurology, 1994;36: 429-440.

12-    Bishop NJ, Dahlenburg, Fewtrell MS, Morley R, Lucas A. Early diet of preterm infants and bone mineralization, Acta Pediatric, 1996;85: 230-236.  

13-   Ctenas, MLB, Vitolo, MR.Crescendo com Saúde: o guia de crescimento da criança. São Paulo: C2 Editora e Consultoria em Nutrição Ltda, 1999.

14-    Composição do leite materno. Disponível em URL http:// http://www.aleitamento.org.br/composi.htm

15-    Murray, M. T. Encyclopedia of nutritional supplements. Rocklin: Prima Health,1996. 488p.

16-Lin, R. Y., Schwartz, L. B., Curry, A. et al. Histamine and tryptase levels in patients with acute allergic reactions: Na emergency department-based study. J.Allergy Clin. Immunol. 106(1 Pt 1): 65-71, 2000.

17-Rena, RJM. A Mulher e a Osteoporose: Como prevenir e controlar. São Paulo: Iátria, 2003.

18- Brotoff, J, Gamlin, L. Food allergies and food intolerancen

Este endereço de e-mail está sendo protegido de spam, você precisa de Javascript habilitado para vê-lo

/font>u003c/a>u003cbr>u003c/div> u003cdiv alignu003d"center">u003cfont coloru003d"#007f40" sizeu003d"3">u003c/font> u003c/div> u003cdiv alignu003d"center">u003cfont faceu003d"arial" coloru003d"#007f40" sizeu003d"3">Shalom!!!u003cbr>u003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003cbr>"Aprender é descobrir o que já se sabe.u003cbr>Praticar é demonstrar o que se sabe.u003cbr>Ensinar é lembrar aos outros queu003cbr>eles sabem tanto quanto você.u003cbr>Todos são alunos, praticantes e professores".u003cbr>(Richard Bach)u003cbr>u003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003du003c/font>u003c/div> n u003cdiv>_____________________",1] ); //–>. Bloomsbury: Vermont, 2000. 414p.

 

 artigo retirado de http://www.vegetarianismo.com.br/sitio/index.php?option=com_content&task=view&id=1591&Itemid=32


Consumo de leite de vaca: mitos e realidades – Denise Madi Carreiro part I

 

Consumo de leite de vaca: mitos e realidades – Denise Madi Carreiro

 

 

Denise Madi Carreiro – CRN 2729

 

Atualmente, um dos produtos mais presente no hábito alimentar do ocidental é o leite e seus derivados. A aceitação do leite como alimento completo existe desde a nossa primeira refeição. Entretanto para podermos observar os efeitos do leite de vaca no nosso organismo devemos dissociar a ação do leite materno e do leite “não materno”, sendo esse o maior limitante para uma análise racional. 

O leite materno é o alimento mais perfeito que existe no mundo. Sua composição é específica e sutilmente modificada de acordo com a necessidade do lactente13.

Em todos os mamíferos, os nutrientes e, em especial, as proteínas do leite produzido são para estimular, nesta espécie, o melhor crescimento e desenvolvimento orgânico e funcional.

 

Quanto mais evoluímos e a tecnologia nos oferece mais conhecimentos específicos sobre a composição e as funções do leite materno, mais esforço é despendido em relação ao aleitamento materno pelo maior tempo possível, onde já foram comprovados os inúmeros benefícios que isto trará para o resto da vida do bebê10, 11.

O leite materno é um líquido rico em gordura, proteína, carboidratos, minerais, vitaminas, enzimas e imunoglobulinas que protegem contra várias doenças. O leite materno é composto por 87% de água, sendo que os 13% restantes são uma poderosa combinação de elementos, fundamentais para o crescimento e desenvolvimento da criança, além de prepará-la adequadamente para aceitar e utilizar os alimentos que serão introduzidos gradualmente, a partir de um mecanismo imunológico perfeito, desenvolvido a partir das substâncias presentes no leite materno14. O leite humano é rico em leucócitos e anticorpos que protegem o bebê contra infecções e alergias, possue fatores de crescimento que aceleram a maturação intestinal, também previnindo alergias e intolerâncias. É rico em vitamina A que previne e/ou reduz a gravidade de algumas infecções e previne doenças oculares causadas por sua deficiência14. Além disto, um estudo na Suécia sobre a ação da caseína dos leites humano e de vaca, demonstrou que a caseína presente no leite humano é um dos componentes que ajuda a proteger as crianças contra infecções gastrintestinais, impedindo a adesão de más bactérias como a H. Pylori às células da mucosa intestinal humana, enquanto o mesmo não ocorreu com a caseína do leite de vaca9.

 

Tabela com os principais mecanismos imunológicos do leite materno

Componentes

Mecanismo

IgA Secretora

Impermeabilização antisséptica das mucosas (digestiva, respiratória, urinária)

Lactoferrina

Ação Bacteriostática (retirada de ferro)  

Lisozima

Ação bactericida (Lise das bactérias)  

Macrófagos

Fagocitose (engloba as bactérias)  

Fator bífido

Lactobacilos – ácidos orgânicos: bactericida.  

 

O leite de vaca também contém fatores imunológicos de ótima qualidade, mas para o bezerro. Esses fatores só funcionam para a mesma espécie. Mesmo que alguns destes fatores possam funcionar, serão destruídos pela armazenagem e fervura do leite14.

É importante analisarmos os nutrientes que constituem o leite materno e o leite de vaca para entendermos alguns paradoxos que existem em relação ao leite de vaca.

O leite materno é rico em ácidos graxos de cadeia longa, importante para o desenvolvimento e mielinização do cérebro. Ácido araquidônico e linoléico, fundamentais na síntese de prostaglandinas, existem em maiores concentrações no leite humano do que no leite de vaca14.

O principal açúcar do leite materno é a lactose porém, mais de 30 açúcares já foram identificados no leite humano, como a galactose, frutose e oligossacarídeos, com ação bifidogênica comprovadamente muito maior do que os do leite de vaca14.

O que mais diferencia o leite de vaca do humano, e por isso mesmo mais transtornos pode causar ao ser humano, é a composição de proteínas e o desequilíbrio entre os minerais.

As proteínas do leite humano são estruturais e qualitativamente diferentes das do leite de vaca. No leite humano, 80% do conteúdo proteico é de lactoalbumina. No leite de vaca esta mesma proporção é de caseína. A relação proteína do soro/caseína do leite humano é de 80/20, a do leite bovino é 20/8014.

A bai xa concentração de caseína no leite humano resulta em uma formação de coalho gástrico mais leve, com flóculos de mais fácil digestão e com reduzido tempo de esvaziamento gástrico14. Além disso, o leite bovino contém a betalactoglobulina, uma proteína que não existe em leite humano e é comprovadamente a mais alergênica do leite de vaca para o ser humano, principalmente por não termos enzimas que digerem esta proteína.

Diversos estudos já demonstraram existir mais de 25 frações proteicas alergenicas em leite de vaca.

O leite humano também contém maiores quantidades de aminoácidos essenciais de alto valor biológico, como a cistina, e aminoácidos como a taurina que não tem em leite de vaca, e que são fundamentais para o crescimento e desenvolvimento do sistema nervoso central. Isto é particularmente fundamental para os prematuros que não possuem enzimas necessárias para a formação da taurina14.

O leite de vaca ainda possue 3 vezes mais proteína que o leite humano, sendo chamado por alguns estudiosos de “carne líquida” 14, porém acidificando o pH sangüíneo e sobrecarregando o rim, quando consumido em alta quantidade e, ao contrário do que se imagina, aumentando a excreção urinária de cálcio.

Outro fator de desequilíbrio no leite bovino é a quantidade de cálcio que é 3 vezes maior que no leite materno, porém com desequilíbrio entre os minerais necessários para uma real utilização do cálcio, prejudicando sua biodisponibilidade. Isto não acontece no leite humano cuja quantidade e proporção de cálcio e dos demais minerais como magnésio, boro, manganês, facilitam a sinergia dos mesmos gerando uma utilização adequada e evitando microcalcificações15,17. A maior parte dos alimentos vegetais, que são boas  fontes de cálcio, tem uma proporção parecida com a do leite humano e uma sinergia com os demais nutrientes necessários para sua biodisponibilidade15,17.

Em um estudo em Cambridge, Reino Unido, com 926 bebês que foram acompanhados por 5 anos, foi demonstrado que quanto maior o tempo de consumo do leite materno, maior o nível de mineralização óssea aos 5 anos, com uma diferença de até 38% em relação aos que receberam fórmulas infantis, apesar das mesmas terem uma proporção maior de cálcio12.

Tabela de Comparação do leite materno com outros leites

 

Leite Humano

Leite Animal

Leite artificiais

Propriedades

Anti-Infecciosas

Presente

Ausente

Ausente

Fatores de crescimento

Presente

Ausente

Ausente

Proteína

Quantidade adequada, fácil de digerir

Excesso, dificil de digerir

Parcialmente modificado

Lipídeos

Suficiente em ácidos graxos essenciais, lipase para digestão

Deficiente em ácidos graxos essenciais, não apresenta lipase.

Deficiente em ácidos graxos essenciais, não apresenta lipase.

Minerais

Quantidade correta/ equilibrado

Em excesso / desequilibrado

Parcialmente correto/ parcialm/te equilibr ado

Ferro

Pouca quantidade, bem absorvido

Pouca quantidade, mal absorvido

Adicionado, mal absorvido

Vitaminas

Quantidade suficiente

Deficiente A e C

Vitaminas adicionadas

Água

Suficiente

Necessário extra

< /TD>

Necessário  extra

De: OMS/CDR/93.6


A melhor bebida produzida naturalmente no Brasil – Composição química do café

Composição Química

A maioria das pessoas que toma café diariamente ignora quais são as substâncias que estão presentes no café e pensa que o café contém apenas ou principalmente cafeína. Grande engano. O café possui apenas 1 a 2,5 % de cafeína e diversas outras substâncias em maior quantidade. E estas outras substâncias podem até ser mais importantes do que a cafeína para o organismo humano. O grão de café (café verde) possui além de uma grande variedade de minerais como potássio (K), magnésio (Mg), cálcio (Ca), sódio (Na), ferro (Fe), manganês (Mn), rubídio (Rb), zinco (Zn), Cobre (Cu), estrôncio (Sr), cromo (Cr), vanádio (V), bário (Ba), níquel (Ni), cobalto (Co), chumbo (Pb), molibdênio (Mo), titânio (Ti) e cádmio (Cd); aminoácidos como alanina, arginina, asparagina, cisteína, ácido glutâmico, glicina, histidina, isoleucina, lisina,metionina, fenilalanina, prolina, serina, treonina, tirosina, valina; lipídeos como triglicerídeos e ácidos graxos livres , açúcares como sucrose, glicose, frutose, arabinose, galactose, maltose e polissacarídeos. Adicionalmente o café também possui uma vitamina do complexo B, a niacina (vitamina B3 , PP ou "Pelagra Preventing" do inglês) e, em maior quantidade que todos os demais componentes, os ácidos clorogênicos, na proporção de 7 a 10 %, isto é, 3 a 5 vezes mais que a cafeína. Mas apenas a cafeína é termoestável, isto é, não é destruída com a torrefação excessiva. As demais substâncias, como aminoácidos, açúcares, lipídeos, niacina e os ácidos clorogênicos, são preservadas, formadas ou mesmo destruídas durante o processo de torra.

A cafeína atua antagonizando os efeitos da adenosina, uma substância química do cérebro (neurotransmissor) que causa o sono, e da microcirculação, onde melhora o fluxo sangüíneo. Os ácidos clorogênicos (7 -10 %) são polifenóis com ação antioxidante que no processo de torra forma quinídeos, os quais possuem um potente efeito antagonista opióide. Isto é, bloqueiam no sistema límbico o desejo excessivo de auto-gratificação que leva o indivíduo insatisfeito a se deprimir e a consumir drogas como nicotina, álcool e mesmo as ilegais. Adicionalmente o quinídeos inibem a recaptação da adenosina (a qual atua por mais tempo), agindo assim de forma protetora contra os efeitos da cafeína nas células nervosas e melhorando a microcirculação. Por isso, o consumo regular de uma planta como o café, na dose de 4 xícaras diárias, pode ajudar a prevenir a depressão e suas conseqüências, como o consumo de drogas, conforme dados de diversos estudos científicos modernos feitos no Brasil e no exterior. Estes resultados inéditos caracterizam porque a humanidade escolheu esta planta como bebida matinal para consumo logo ao acordar e para se manter desperta, ativa e de bom humor durante o dia: a cafeína estimula a vigília; a atenção; a concentração; a capacidade intelectual e os ácidos clorogênicos modulam o estado de humor, impedindo a depressão que leva ao consumo de drogas legais, como o álcool ou ilegais, como cocaína, maconha e outras. Por isso, o consumo diário de café, com ou sem leite, em doses moderadas de até quatro xícaras diárias é recomendado para jovens e adultos de todo o mundo. A bebida, uma solução aquosa, não contém gorduras e proteínas, sendo destituída de valor calórico (Ver Quadros 1, 2 e 3).

Quadro 1 – Composição química do café verde

Composição do Café Cru (Verde)

Componente

% em base seca

 

Árabica

Robusta

Cafeína

1.2

2.2

Trigonelina

1.0

0.7

Cinzas (41%=K)

4.2

4.4

Ácidos

Ácido clorogênico total

6.5

10.0

Alifáticos

1.0

1.0

Quínico

0.4

0.4

Açucares

Sacarose

8.0

4.0

Redutores

0.1

0.4

Polissacarídeos

44.0

48.0

Lignina

3.0

3.0

Pectina

2.0

2.0

Proteína

11.0

11.0

Aminoácidos livres

0.5

0.8

Lipídeos

16.0

10.0

De: Encyclopedia of Food Science, Tecnology and Nutrition Academic Press, 1993.

Quadro 2 – Substâncias presentes no grão de café (conforme torra) e na bebida*

Substâncias presentes no grão de café

Cafeína (1-2,5%)* – Termo-estável

Niacina (0,5%)* – Dependente de torra ideal

Ácidos Clorogênicos (7-10%) – Torra ideal

Aminoácidos – Torra ideal

Sais Minerais* – Torra ideal

Açúcares – Torra ideal

Lipídeos – Torra ideal

Diversos (pigmentos, cinzas, etc)* – Depende da torra

*Presentes na bebida

Quadro 3 – Café é rico em minerais

Teor Mineral (por litro):

Café

Água Mineral

Gatorade

K100/500 mg

1,50 mg

120 mg

Ca 100/300 mg

60 mg

0 mg

Mg 120/250 mg

13 mg

0 mg

Na 20 a 70 mg

1 mg

450 mg

Cl 0,01 mg

0,01

420 mg

Fe 2 a 5 mg

0 mg

0 mg

Zn 5 a 30 mg

0 mg

0 mg

Sr 5 a 20 mg

0 mg

0 mg

Outros 1-2 mg

traços

H 60g/24KCal

· Bebidas isotônicas são quase iguais a solução caseira de Reidratação Oral (SRO), obtida com uma pitada de açúcar e outra de sal em um copo de água, acrescida de potássio.

Referências:

  1. TRUGO, L.: High Performance Liquid Chromatography in coffee analysis. Ph.D. Thesis , University of Reading , England, 1984.
  2. TRUGO, L. Coffee . Em : CABALLERO, B., TRUGO, L. FINGLAS, P. (Editores): ENCYCLOPEDIA OF FOOD SCIENCES AND NUTRITION (10 Volumes), ACADEMIC PRESS, England, 2003, 2nd ed.
  3. LIMA, D.R. (Editor): CAFÉ E SAÚDE : MANUAL DE FARMACOLOGIA CLINICA, TERAPEUTICA E TOXICOLOGIA, MEDSI EDITORA (3 volumes), RJ, 2003, págs 141-149
  4. LIMA, D.R.: ISOTÔNICOS, ÁGUA MINERAL E CAFÉ MINERAL. Jornal da ABIC , VIII, 96, 26, 2000

retirado do site http://www.cafeesaude.com.br/


Tudo que você gostaria de saber sobre a soja e seus derivados – O embrapa responde

 
Acesse o site do embrapa e esclareça suas duvidas sobre a soja e seus derivados!
 
 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.