Don't Worry Be Happy!!!

As escolas do Shaivismo

Escolas do Saivismo

Saivismo da Cachemira
Spanda
Pratyabhijña
Kula
Krama

Saivismo da Cachemira

Quando nos referimos as linhas Sivaistas (pronuncie Shiva) em geral,o Saivismo Tantrico da Cachemira merece um lugar a parte dentro das linhas Sivaistas. Sendo decididamente não dualista, semelhante ao vedanta Sankariano, chega a se igualar pela profundidade de seus pontos de vista, mas o sobrepassa pela liberdade irrestrita de espírito, além disso propõe um método de yoga original, próprio e as vezes desconcertante.
Trika “ Tríade” é seu nome genérico. Que pode ser entendido por essa linha entre as milhares de características de Siva , três (características ) são as principais: Vontade , conhecimento e atividade (ação). Ou melhor, Siva mesmo, Sakti e o indivíduo limitado, ou melhor o nível triplo da experiência psicológica. Sujeito conhecedor, o conhecimento e o objeto conhecido. Ou os três caminhos (em direção ) ao absoluto (Siva) a via divina, a via da energia e a via do indivíduo.

Em geral o Saivismo do norte se divide em 4 escolas principais, que por outra parte,não se excluem mutuamente,sendo que os autores (Mestres) dessas escolas se inspiraram em escrever obras tanto de uma escola como da outra. Cada tradição tem suas próprias escrituras, mas tendo uma coisa em comum: Todas se referem aos Ágamas, aos tratados monistas como; Vijñana Bhairava, Malini-Vijaya, Rudra –Yamala e Para-Trimsika entre outros. Topo

Spanda ou Trika

No sentido restrito do termo esta escola aparece no começo do século IX. Se apoia esencialmente nos Shiva-sutra, o qual possui 77 versos sánscritos considerados como revelados por Shiva mesmo, e o seu livro principal é o Spanda Karika. Como as outras escolas da Cachemira , está denominada pelo impressionante gênio de abhinavagupta ( 950 a 1025 aprox.)autor de comentários sobre os diversos sistemas Sivaitas, de obras originais como o Tantra lôka (luz sobre os tantras) uma espécie de enciclopédia das doutrinas e dos procedimentos tantricos e também de trabalhos famosos sobre a língua e a estética.

Spanda significa “vibração”. Para os seguidores da escola Trika, (ela) está em movimento da produção cósmica, é um ato vibrante do Ser Supremo (Siva) e de Sua energia.
“ Aqui se desenvolve os princípios formulados nos Siva sutras e se detalham os pontos concretos de tais Sutras principalmente desde o ponto de vista da Sakti.
A obra principal deste Sastra é a Spanda Karika como é conhecida geralmente . (a qual existem vários comentários )”. (Siva sutra-Vimarsini)
Nessa escola preconiza-se sem dúvidas métodos progressivos, mas o essencial está definido como um “impulso” ou um “salto” uma adesão súbita ao Real que transcende completamente a divisão entre conhecedor e conhecido, e permite ao yogi ver o universo inteiro como o seu próprio “corpo” ou como a expansão da sua própria energia.
A via superior ou Divina se caracteriza por uma ausência total de apoio, de esforço de recurso a qualquer que seja o objeto. Esta via é imediata fulgurante desprovida de dúvida ou eleição. Só pode entrar ai o “rei dos yogis” “yogendra” cujo pensamento não se apega jamais a nada nem sequer a uma pessoa Divina. Este estado mais além de todos os estados , é chamado igualmente “vacuidade” (sunyata) não no sentido de irrealidade ou de relatividade universal como no sentido de consciência absoluta, vazia de objetos indiferenciada, energia fundamentalmente livre ( Shaivagama sakti) .
No entanto o que mais se admira nesta metafísica, é a extraordinária riqueza e audácia dos meios de esclarecimentos para se chegar a liberação. O célebre Vijñana Bhairava descreve 112 “abertura” (mukta) até o estado supremo, podendo a cada técnica incluir por sua vez variantes ou aplicações realçadas. Muitas das instruções favorecem naturalmente a vacuidade (vacuidade corporal ou mental ou contemplação de espaços vazios de intervalos entre os objetos, entre os alentos, entre os pensamentos aguçados das “interdições” mas outros põem em jogo uma intensa energia, uma “efervescência” que aponta a uma espécie de dissolução do ego pela perda de todo o suporte e referência :
Dentre as 112 “aberturas” umas pertencem a “via do indivíduo” outras a “via da energia” outras a “via de Siva” e outras começando a proposta em um nível inferior ou médio acabam por desembocar na via Suprema do reconhecimento da Consciência.
Essa via não aceita somente a energia como a empurra para seus paradoxos, sendo toda a sua arte o de interrompê-la em seco no momento oportuno e de deixá-la então refluir de golpe até o seu centro, seu germe, que se revela como fonte de paz suprema e de alegria infinita. Topo

Pratyabhijña

A quarta escola Sivaita da Cachemira, a mais recente, foi fundada no final do século IX por Somananda e sistematizada por seu discípulo Utpaladeva. Muito elaborada e refinada no plano metafísico e cosmológico, em compensação é espontâneista e direta no único meio que ela preconiza para ascender ao “sem-acesso”: o Reconhecimento (assim é o nome dessa corrente: Pratyabhijña), quer dizer, a tomada de consciência intuitiva, imediata, pelo coração, de Siva em nós e no universo. Esta identificação do “Eu” individual com o “Eu” universal não requer nenhum esforço, nenhum projeto,nenhuma estratégia. Se expande por si mesma assim como o pensamento deixa suas contruções artificiais. A evolução não depende de um treinamento voluntarista e progressivo como na maioria dos yogas,senão de uma visão instantânea da natureza real do objeto, sujeito observador e do observado.
A escola Pratyabhijña (escola de reconhecimento) também se apóia nos Siva Sutras um conpêndio com 77 versos em sânskrito considerados como uma revelação de Siva . e um dos seus principais livros são: Siva drsti de somananda, Isvara prathyabhijña de Utpala o qual foi discípulo de somananda.
Topo

Kula

Originária de Assam, podia-se remontar ao século V. Primeiramente desenvolvida no Sul da Índia, se propagou na Cachemira entre os séculos IX e X . Este nome significa em primeiro lugar grande família, casta nobre ou clã, e por extensão, organização ou cadeia iniciática, implicando a presença real da Sakti. Como os “perfeitos” (siddhas) os “Heróis” (vira), os Kaulas, Membros de um círculo muito fechado, devem dominar perfeitamente os seus sentidos e seu pensamento, haver superado suas dúvidas e seus medos, ter um coração puro, livre de cobiça e de apego,e ter recebido a iniciação de um guru da mesma linhagem. Só nestas condições podem então viver, em um marco ritual protegido, certa experiência proibida ou desaconselhada aos homens ordinários (quer dizer limitados,ou pasu) dominados pela rotina e a cobiça, e chegar a liberação, incluindo utilizar meios que são, para a maioria de nós,causa de degradação ou de dependência ( segundo o provérbio tantrico de “transformar o veneno em remédio”) se trata portanto de um autêntico yoga, mas muito diferente do yoga clássico, e segundo os seus adeptos, mais completo sendo que realiza a união dos contrários, espiritualizando o corpo , (corporalizando) o espírito. “Se diz que o yogi não pode gozar do mundo e que aquele que goza do mundo não pode conhecer o yoga: Mas na via dos Kaula, há ao mesmo tempo gozo (bhoga) e yoga ( Kulârnava Tantra I,23). No momento em que ele efetua a união sexual, o yogi deve ser capaz de abstrair-se do prazer simplesmente carnal e absorver-se na felicidade pura (ananda) que é a natureza essencial do Ser. O uso lúcido do álcool, o consumo de pratos excitantes e a participação da mulher iniciada não tem outro objetivo que o de revelar e amplificar essa felicidade vibrante. Tais práticas para dar todo o seu fruto, devem ser levadas paralelamente com a ascensão da Kundalini. Dito de outro modo aquilo que outros yogis realizam sem a ajuda de uma mulher exterior, por um processo puramente endógeno. Aqui é vivido em parceria, a energia ou Kundalini estando encarnada na companheira feminina transubstânciada em “Deusa” Mais que o homem, representante do pólo Consciência se identifica com Siva.

Pode-se ver o alto grau de interiorização, de preparação e de capacidade Metafísica que este rito ( em geral toda a proposta tântrica na qual o sexo só ocupa uma mínima parte ) exige por ambas as partes não degenerar em paródia como desgraçadamente estamos vendo a sociedade nos meios pseudo-tântricos que tanto se propagam no ocidente e os que pretendem passar por tântrismo e por espiritualidade o que não é mais que, no melhor dos casos, uma terapia de duvidoso resultado. Quando no hedonismo puro e simples e que deixa as pessoas presas mas se cabe nas formas, em vez de impulsiona-las as suas essências. Topo

Krama

Uma corrente esotérica vizinha aparece na Cachemira até o final do século VII sob apelações diversas : Krama (“ Progressão” alusão ao seu método gradualista, menos direto que o Kula ), Maharthadarsana (doutrina do sentido absoluto), Kalinaya (a causa de sua devoção a deusa Kali ),etc. Este movimento atribue uma importância especial a transmissão iniciática através das mulheres. Se diz que um de seus dois primeiros Mestres foi Sivananda,o qual instruiu yoginis que por sua vez formaram vários discípulos masculinos. Em certos Ágamas da escola, é a deusa a que precede os ensinamentos respondendo as perguntas de Siva. Todas as funções (criação,conservação,dissolução, estado inefável, liberdade ), todos os aspectos (consciência, felicidade, vontade,conhecimento, ação) que se referem normalmente ao deus, vem transferindo-se da Sakti. É ela a que “ vomita” o universo e o (reabsorve) no fim de cada ciclo cósmico, é ela a que transforma a susseção temporal dolorosa no tempo absoluto, indiviso, imutável.
Se encontram por outra parte nesta escola especulações grandiosas sobre o cosmos comparado a uma roda imensa, homogênea e perfeita, cujo núcleo é a Consciência divina. Coração universal a partir do qual irradiam energias desconhecidas . Esta roda gira sem cessar mas tão rápido que parece imóvel. Situado no ponto central, a parceira divina desperta e dirige o movimento; a Deusa projeta o universo (ação centrífuga) e Siva o reabsorve (ação centrípeda) . Yogin que chega ao centro da roda, na qual todas as energias se juntam de modo simultâneo, goza de uma paz total ao meso tempo que de uma lucidez maravilhosa sendo que ele pode ver na periferia, sem estar afetado por ela, a roda sempre renovada das experiências e dos fenômenos.
Como os Kaula, os iniciados do Krama se reuniam secretamente nos “grandes banquetes” nos quais praticavam a união ritual. Mas ao contrário dos métodos inspirados pelo hatha-yoga e baseados no esforço sistemático, eles punham o acento na espontaneidade, a verdade natural de cada indivíduo, a perfeição inata que simplesmente se trata de restaurar situando-se em uma corrente vibratória propicia, uma justa sinergia dos corações.

 

retirado do site – http://www.institutoshaivayoga.com.br/

Uma resposta

  1. diogo

    ola fabiano! tdo bem?!Meu nome é diogo, sou do rio de janeiro, e por coinscidencia, conheci o sivaismo por um irmao chamado fabiano, que conheci quando fui visitar um grande irmao no interior de SP.Parabens pela sua otima redaçao e poder de sintese….estou encantando com o conhecimento…..vai de sugestao alterar a cor da fonte….fica mto dificil de ler nesse tom em cima do azul….fica na paz do altissimo!Diogo

    maio 1, 2009 às 11:17 pm

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s