Don't Worry Be Happy!!!

O mundo como ele é, as pessoas como elas são.

O mundo como ele é, as pessoas como elas são.

 

O mundo é algo intrigante e as pessoas são mais ainda.

Falam o que pensam, mas não percebem o que dizem.

Há uma espécie de cegueira que vela uma mentalidade aberta e complexa.

Afetados pelos sentidos, somos impelidos ao triste destino da ignorância.

Dizemos aos outros o que consideramos a verdade, a realidade.

O que importa é termos razão, um exercício de poder e submissão.

Essa é a mentalidade competitiva e destrutiva que é manifestada em massa pelos humanos.

Mas, no fundo ficamos atrelados a aquilo que nossa limitada percepção capta e a mente interpreta.

Daí ficamos convencidos de que aquilo que comunicamos é verídico, e, talvez sentido único.

Só não percebemos que estamos presos nas redes das próprias convicções, sem perceber outras possibilidades.

Acusamos o outro disso, daquilo, e não percebemos em nós mesmos as mesmas limitações, equívocos.

Ouço tantas besteiras e também percebo quantas eu pronuncio para meus interlocutores.

Vidas conectados pelas palavras manifestadas a esmo, apenas falar por falar, sem saber o que se fala.

Ou, mesmo se soubermos, ainda assim é uma forma limitada, pois permanecemos num nível discursivo.

As palavras têm um peso, um significado, e são originadas em níveis mentais superiores.

Energia pura manifestada por meio de sons, daí surge o desperdício manifestado por nossas bocas.

Coitado do ouvido que vira pinico, pois pronunciamos julgamentos de valor e a mentalidade criticista predomina.

Idas e vindas, talvez atolados nesse fluxo contínuo de MAYA.

Criamos uma segurança em torno das verdades inquestionáveis que a mente produz incessantemente.

É interessante perceber o quanto o EGO se fortalece quando essa segurança ilusória se manifesta.

Um mundo fictício embutido nas mesmas teias, interconectadas pela ignorância e arrogância irrestritas.

Redes tecidas por MAYA, ou as percepções limitadas sobre a realidade e o SER.

Me tranqüilizo quando percebo em mim tais equívocos, limitações.

Me transformo numa fortaleza devido a esse reconhecimento.

Pois, identifico que há algo além das dualidades, ambigüidades, e a ignorância mental e perceptiva.

Nada de EGO ou mente que se apóiam num solipsismo.

Mas, sim uma abertura para o transcendente.

 

Om Namah Shivaia!

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s